Como a Pandemia Pode Modificar o Mundo do Trabalho?

Tempo de leitura: 5 minutos

Como será o trabalho em um mundo pós-coronavírus? O home office (trabalho remoto) se tornará comum e, com isso, aumentará a demanda por conectividade à Internet, segurança cibernética e videoconferência?

As empresas perceberão que alguns trabalhos são mais dispensáveis ​​do que imaginavam e outros mais críticos do que esperavam? Algumas organizações irão se sobressair enquanto outras irão enfrentar dificuldades…?

São muitas dúvidas e perguntas que pairam sobre esse cenário que estamos vivendo e, nesta nova realidade, estamos testemunhando uma reestruturação dramática da ordem econômica e social.

Fomos interrompidos e forçados a começar a discutir o que o próximo normal poderia acarretar – e quão diferente será de nossas vidas atuais.

Sendo assim, o que esperar do futuro do trabalho?

O mundo do trabalho e as consequências do covid-19

O coronavírus atingiu fortemente setores como varejo, hotéis, restaurantes, companhias aéreas, parques temáticos, etc., e inúmeras pessoas já perderam o emprego em diversas partes do mundo.

Ou seja, o cenário atual para muitos trabalhadores não é dos mais favoráveis. Porém, tudo tem seus lados positivos e negativos…

Mercados beneficiados

Algumas empresas estão relativamente bem. Assistência médica, bens de consumo, empresas farmacêuticas, de dispositivos médicos – todas têm demandas urgentes que precisam ser atendidas.

Isso não significa que a oferta acompanhou a demanda: os profissionais de saúde, por exemplo, não têm máscaras faciais ou luvas cirúrgicas suficientes em muitos lugares.

Compras online e entrega em domicílio

Outros mercados que também têm sido beneficiados são os de compras online e de entrega em domicílio (desde mantimentos a medicamentos prescritos) – para as empresas dessa área, as vendas dispararam nos últimos meses.

Um exemplo que ilustra bem esse contexto é o da Amazon, que contratou 100 mil novos colaboradores em período de quatro semanas.

Mudanças de hábito

Os consumidores estão sendo forçados a experimentar os serviços que demoraram a adotar no passado.

Alguns consumidores hesitaram em tentar entrega em domicílio porque não gostavam da ideia de não poderem selecionar os itens e estavam preocupados com a qualidade deles.

Agora que tiveram tempo de dar uma chance a esses tipos de serviços, daqui para frente será muito mais comum ver pessoas aderindo-os.

 

Um mundo digital

A alta demanda por serviços como a conectividade com a Internet pode ser uma boa aliada para os negócios, porém, também possuem certas limitações…

Com as pessoas acessando mais a internet durante a pandemia – as que trabalham em casa, os alunos que fazem aulas online, as pessoas ligadas à casa por videoconferência com amigos e colegas – o tráfego da Internet “explodiu”.

E isso, em diversos casos, diminuiu a velocidade de download e reduziu a qualidade do vídeo. Ou seja, tais fatores podem forçar as empresas que prestam esses serviços a investir em uma banda larga expandida, melhor.

Além disso, a segurança cibernética se torna uma preocupação quando as pessoas usam seus computadores do trabalho em casa. Portanto, as empresas podem precisar reforçar seus protocolos de segurança também.

E quando se trata de colaboração online e virtual, é a “equipe” que importa, não o indivíduo. O desempenho individual deve ser examinado no contexto da equipe em geral e a equipe deve ser incentivada a ser empática e forte.

Afinal, você não pode fazer nada isolado se não for bom em trabalhar com sua própria equipe e com outras equipes.

A retenção de indivíduos que demonstram maior capacidade de trabalhar efetivamente dentro de uma equipe deve ser priorizado em detrimento daqueles que colocam seu desempenho individual em primeiro lugar.

O trabalho remoto será normal?

Os executivos da empresa que estavam céticos sobre os funcionários que trabalham em casa podem estar descobrindo que o trabalho remoto pode realmente ser produtivo.

Em muitas empresas foi notado um aumento de eficiência entre esses funcionários: menos reuniões de baixa necessidade, melhor organização e priorização dos funcionários e abordagens mais inteligentes para satisfazer as necessidades de clientes (que também estão lidando com a transição de trabalhar em casa).

Grande parte das empresas está focada no gerenciamento de custos, eficiência e na tentativa de reavaliar a demanda que está avançando e, descobrir onde está a demanda do cliente ou do consumidor será um desafio daqui para frente.

Além disso, na medida em que as empresas fazem mudanças para melhor medir e gerenciar a produção, os funcionários que não produzem podem estar correndo sérios riscos. Portanto, buscar qualificação e não “parar no tempo” é fundamental.

Adaptação e inovação

Distanciamento social, flexibilização de turnos, limpeza reforçada, ventilação de ambientes, uso de máscaras e álcool gel, cuidados gerais… tanto as empresas quanto os colaboradores precisarão ser cada vez mais adaptáveis daqui para frente. Sem isso, ambos terão sérias dificuldades de se manter.

Além disso, a busca por inovação será de extrema importância para superarem os obstáculos e assim conseguirem trabalhar, mesmo em momentos de crise!